Vícios não são Crime

Vícios não são Crime

Lysander Spooner

Sinopse:
Vícios não são Crime foi escrito em 1875 pelo advogado, empreendedor e político Lisander Spooner. É de uma atualidade marcante assim como seu modo peculiar de encarar o assunto desta obra: “Os vícios são simples erros que um homem comete ao buscar a sua felicidade individual.”

  • R$16,00

  • ISBN: 9788572170864
  • Formato: 21 x 11 cm
  • Páginas: 64
  • Selo Aquariana
  • Disponibilidade: Em estoque
  • Autor: Lysander Spooner

Lysander Spooner nasceu em janeiro de 1808 em Athol, MA, EUA. Ao longo da década de 1830, envolveu-se no movimento do Pensamento Livre como panfleteiro, período em que se tornou opositor da escravidão e um ardente contestador do sistema bancário, escrevendo intensamente sobre esses assuntos por toda a vida.

"Este livro é uma arguta contestação do establishment norte-americano do século XIX. No entanto é de uma atualidade marcante assim como seu modo peculiar de encarar o assunto desta obra: Os vícios são simples erros que um homem comete ao buscar a sua felicidade individual. Ao contrário dos crimes, não implicam qualquer intenção criminosa relativa a outrem, nem qualquer dano relativo à sua pessoa ou aos seus bens. L.S. No seu exclusivo modo de enxergar o mundo, é tênue a linha que separa vício e virtude: Não há, no entanto, ninguém entre nós que possa extrair para outrem os ensinamentos dessa indispensável lição da felicidade e da infelicidade, da virtude e do vício. Trata-se de qualquer coisa que cada um de nós tem de aprender por si próprio. Para poder aprendê-lo, deve gozar de uma total liberdade de tentar todas as experiências que considere necessárias. Algumas dessas experiências são bem-sucedidas e recebem o nome de virtudes; outras falham e, porque falham, recebem o nome de vícios. L.S. Muito de sua crítica econômica, financeira e política estava baseada no argumento de que muitas medidas eram inconstitucionais. O texto de Lysander Spooner ecoa nesse início de século XXI com sonoridade bem atual, acentuada, hoje como ontem, uma crítica fundamentada à sociedade do nosso tempo."

Escreva um comentário

Nota: HTML não suportado.
    Ruim           Bom
Imagem antispam