Viagem pela Arte Brasileira

Viagem pela Arte Brasileira

Alberto Beuttenmuller

Sinopse:
Viagem pela Arte Brasileira veio preencher uma lacuna na literatura sobre a origem e a evolução da nossa arte. Ao mesmo tempo que informa, esta obra é simultaneamente um instrumento de aprendizagem e um libro pedagógico. Segundo o autor, a arte brasileira se desenvolveu aos saltos; já que o Brasil não teve Idade Média, iniciou sua história pelo barroco com séculos entre um movimento artístico e o seguinte.

  • R$0,00

  • ISBN: 8572170839
  • Formato: 1 x 23 cm
  • Páginas: 136
  • Selo Aquariana
  • Disponibilidade: Esgotado
  • Autor: Alberto Beuttenmuller

Alberto Beuttenmüller é poeta, jornalista, ensaísta e crítico de arte. É membro da Associação Internacional de Críticos de Arte, com quatro livros de arte editados, da Associação Brasileira de Críticos de Arte e da União Brasileira de Escritores. Trabalhou em diversos órgãos de imprensa: A Gazeta, O Estado de São Paulo, Jornal do Brasil, Fatos, além de ter colaborado por 13 anos na revista Visão, como colunista de Artes Visuais. Foi professor convidado da Universidade de Campinas (Unicamp), onde deu aulas de História da Arte Brasileira e Estética.

"A arte brasileira é feita de rupturas e saltos no tempo. Começa há cerca de 30 mil anos, com a Arte Rupestre, passa pela Arte Indígena, segue em direção ao século XVII e chega ao Brasil Português - o Barroco - quando aparece o gênio de Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho. Depois, vive a época de D. João VI, no Rio de Janeiro e o Brasil Colonial, altura em que recebe a visita da Missão Artística Francesa, passando em seguida pelos dois Imperadores - D. Pedro I e D. Pedro II, quando foi imposto o estilo Neoclássico. Daí em diante, se adapta às novas propostas formais, à presença do Concretismo paulista, do Neoconcretismo carioca, em franca mudança até os dias atuais. Segundo o autor, a Arte, hoje, não tem qualquer ligação com a vida e com a sociedade, problema que nasceu na primeira metade do século XX, quando o artista francês Marcel Duchamp abalou os conceitos de Arte, criando o ready-made, artefato pronto e industrial, gerador do conceito de apropriação em arte que, se por um lado, deu mais liberdade ao artista, também lhe trouxe maior responsabilidade social. Viagem pela arte brasileira caminha pelo labirinto da Arte Visual desvendando os mistérios da Arte Brasileira para as novas gerações de observadores, estudantes e interessados no tema."

Escreva um comentário

Nota: HTML não suportado.
    Ruim           Bom
Imagem antispam